4275

CDS Litoral Sul

Pular para o conteúdo
CDS Litoral Sul
Itabuna

TÉCNICOS DO PROJETO DE APOIO ÀS ASSOCIAÇÕES REALIZAM DIAGNÓSTICO RURAL PARTICIPATIVO EM URUÇUCA

24/02/2021 às 16h06

Noticia

Galeria com imagens e vídeos sobre a matéria


Com o intuito de identificar os problemas, conhecer as demandas, elaborar estratégias e traçar metas em busca de soluções na rede associativa rural da região, a equipe técnica do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável Território Litoral Sul (CDS-LS) e do Instituto Chocolate visitaram a Associação Nova Vida dos Assentados do Projeto Rochedo, na tarde desta terça-feira, dia 23.

A ação faz parte do trabalho realizado a partir do Projeto de Apoio à Rede de Associações Rurais e garantiu a participação dos pequenos produtores da associação, localizada no município de Uruçuca, no Diagnóstico Rural Participativo (DRP). Assim, os técnicos e os membros da associação fizeram uma análise conjunta da realidade local, para organizarem e planejarem as ações necessárias para o avanço da comunidade.

A presidente da associação, Ana Paula Novais dos Santos, destacou que foi a partir da reunião e conhecendo o diagnóstico foi possível direcionar os caminhos que todos os associados devem seguir para ter uma vida melhor na produção, no bem-estar e nas oportunidades, que na maioria das vezes a comunidade nem tem conhecimento.

“Foi uma tarde esclarecedora. Os técnicos foram pacientes e muito responsáveis nas orientações. Muitas vezes, vivemos na zona rural e temos a impressão que fomos esquecidos. Mas, agora tivemos muitas orientações para correr atrás de dias melhores˜, expressou Ana Paula.

Ao todo, 30 associações da região estão sendo visitadas por técnicos do CDS-LS e do Instituto Chocolate para a aplicação da metodologia do diagnóstico participativo, visando identificar forças, oportunidades, fraquezas e ameaças que comprometem o desenvolvimento da associação, através do convênio entre a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural (SDR), a Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR).

Vale destacar, que a visita atendeu os protocolos sanitários exigidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS), como o uso de máscara e álcool em gel 70 para a higienização das mãos.